JORNAL FOLHA DE NEGÓCIOS, SEMPRE UM BOM NEGÓCIO - TEL:(32)3331-9521

Galeria Blog

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Nas baladas da vida



Por Ahmad Neto

O final de semana, para Lucas e Carine, chegou. Depois daquele banho demorado, um perfume dos mais caros sobre a pele. Sabe aquele que custa mais ou menos a metade do que eles ganham? Pois é... colocar a melhor roupa... não, não! A melhor roupa não! Mas aquela que a deixa mais sexy, que marca melhor seu corpo e que evidencia suas curvas. É! Cada um com seu estilo... Carine escolhe um scarpin de salto alto, aliás, quanto mais alto melhor. É preciso chamar a atenção pela beleza. Lucas, pronto para sair, meio que despojado, calça jeans, camisa clara e tênis de marca, vai para a balada. Lucas e Carine não se conhecem, mas vão se “esbarrar” lá no point. Aos vinte e poucos anos ainda não se dedicam a construir relações. Essas “bobagens” de gente mais velha, que acha que a gente tem que ir devagar, se conhecer melhor e coisa e tal... Carine e Lucas, a exemplo de muitos jovens de sua idade, só querem curtir, ficar, beijar e, quem sabe, transar. Danças sensuais, movimentos sincronizados. Pensam: “Sou o máximo, sorte de quem ficar comigo”. Não é que não sejam especiais... mas num ambiente daqueles, cheio de outras pessoas, entre as danças engraçadas e as curiosas, entre caras e bocas, olhares “misteriosos” e “sedutores” e a mistura de cheiros, perfumes e hálitos, todo mundo se acha especial mesmo. Carine vê Lucas, Lucas vê Carine. Pensa ela: “Cara bonito, sarado. Será que me viu?” Pensa ele: “Mó mina! Corpão! Se dé mole eu pego”. Dançam, aproximam-se, entreolham-se... “E aí? belê? Aborda Lucas. “Beleza!” Responde Carine. Algum tempo depois, na área reservada aos fumantes, longe da pista de dança e do som ensurdecedor da banda, entre beijos e abraços, muita “pegação” e nada de sentimentos. Não há promessas, expectativas ou qualquer outra forma de compromisso. A noite segue e passa, como a noite de cinderela, em busca do príncipe encantado, passou para Carine. Lucas, por sua vez, já não é mais o astuto “caçador” que levou sua “presa” para o abate. A noite de fantasias passou como passam todas as noites, e todos os dias, entre luas e sóis. Seguem a rotina do dia-a-dia, esperando pelo próximo final de semana, quando poderão viver apenas para os sentidos imediatos. Quando olhares apaixonados são trocados por olhares de sedução, palavras de amor por beijos sem emoção, abraços por agarração e carinhos por pegação. Para uns, bebida, para outros, drogas, e para outros ainda, as duas coisas. No silêncio de seus quartos, os pensamentos vagueiam. Vida vazia, tempo perdido. Horas que poderiam ter sido aproveitadas para ler um bom livro, assistir a um bom filme ou para se juntar a pessoas interessantes num longo e proveitoso bate-papo, são desperdiçadas. Frivolidades, sentimentos rasos, vazio existencial. Nas escolas, os “Lucas e Carines” se formarão e serão os advogados, os médicos, os engenheiros, os psicólogos e toda a sorte de “doutores” e políticos que “servirão” à sociedade. Sem conteúdo, sem objetivos concretos, sem compreensão do amor na sua essência e, portanto, sem conceitos e valores reais. Munidos apenas e tão somente dos conhecimentos adquiridos nos bancos das faculdades, e com poucos e distorcidos conhecimento da vida. Valores morais como dignidade, compaixão e caridade, dentre outros, são apenas conceitos abstratos, próprios dos filósofos de antigamente. Na política, alguns deles irão administrar o seu país com sua riqueza, os recursos primários e os recursos naturais como o petróleo, o ouro, a água, a fauna e a flora, a vida dos índios nativos e, perceba, até a sua vida, em toda sua complexidade.

Mas nos teatros da vida também se constroem relações proveitosas, onde outros jovens, ao contrário dos Lucas e Carines, aprimoram seus conhecimentos lendo, refletindo a própria existência e debatendo assuntos relevantes para o autoconhecimento, para as questões humanas e a vida no planeta como um todo. Serão os melhores advogados, médicos, engenheiros, psicólogos e políticos que servirão à sociedade. Eles também vão às baladas, mas não perdem tempo com futilidades, pois vivem com sabedoria, e aprendem a construir carreiras e relações fortes e duradouras, de amor e de amizade. Assim segue a vida, assim caminha a humanidade. Entre sonhos, fantasias, objetivos e metas, todos fazemos parte desse “jogo de viver”. Nos quartéis, palácios, escolas, igrejas ou nas baladas da vida, somos todos atores a representar papéis, no imenso palco das relações e das ilusões sociais.

 AHMAD SUNBULAT NETO

Personal Coach || Consultor de Carreira || Analista Quântico

(32) 8706-1146 || (31) 8590-4267 || www.viverideal.com.br


Um comentário:

  1. Esse é o meu mais novo artigo sobre comportamento humano

    ResponderExcluir